Nível de glicose no sangue

/Nível de glicose no sangue
Nível de glicose no sangue2016-12-15T16:27:11+00:00

Ao envelhecermos, temos mais risco de desenvolver diabetes tipo 2 (também conhecido como diabetes tardio), a doença glicêmica que não é herdada geneticamente.

Uma dieta saudável, além de gerenciamento de peso (perda de peso) e exercício, são os principais fatores que causam uma melhoria significativa na sensibilidade à insulina. Melhoria na sensibilidade à insulina se refere a habilidade do seu corpo de quebrar os açúcares no sangue e usá-los eficientemente.

Os principais fatores de risco para diabetes tipo 2 são:

Diversos estudos demonstraram que os aminoácidos L-carnitina e L-arginina podem ter uma influência positiva na sensibilidade à insulina e tolerância de glicose, permitindo que você ajude na regulação natural dos níveis de açúcar no sangue do seu corpo.

Níveis elevados de açúcar no sangue resultam em mais estresse oxidativo. Esse estresse danifica as células e, a largo prazo, causa complicações como retinopatia diabética, doença cardiovascular como disfunção erétil e distúrbios do sistema nervoso. Por isso a vitamina C, vitamina E e glutationa estão entre os suplementos recomendados para ajudar a proteger a integridade celular.
O corpo requer os microelementos cromo, zinco e magnésio para produzir e utilizar insulina. Leia abaixo como os microelementos afetam os níveis de glicose no sangue.

Consequências do diabetes e níveis variáveis de açúcar no sangue

diabetes mellitus e nível de açúcar no sangueNíveis elevados de açúcar no sangue resultando em diabetes não reconhecida, não tratada ou gerenciada ineficientemente pode causar dano aos vasos sanguíneos e, consequentemente, distúrbios circulatórios sérios que aparecem primeiro em vasos sanguíneos muito pequenos.

Algumas das complicações típicas podem ser:

  • Doenças oculares (retinopatia diabética), especialmente em diabetes tipo 1;
  • Disfunção erétil em homens;
  • Maior risco de doenças cardiovasculares (risco de ataque cardíaco e infarto é três a seis vezes maior do que na população que não é afetada);
  • Neuropatias (distúrbios nervosos), além de possíveis interrupções de funções motoras;
  • Úlceras diabéticas do pé (também podem causar amputações do pé; nos EUA, quase 80.000 amputações de pé são realizadas em diabéticos todos os anos).
1

Abordagem de três pontas para o diabetes

diabetes, colesterol e nutriçãoUma dieta saudável, exercício suficiente e evitar nicotina e álcool pode reduzir significativamente o risco de desenvolver diabetes tipo 2. Mesmo níveis elevados de açúcar no sangue e sensibilidade de insulina limitada podem seus melhorados com medidas específicas. Em muitos casos, a administração de insulina a largo prazo pode ser evitada ou pelo menos reduzida.

Para reduzir os danos possíveis provenientes dos altos níveis de açúcar no sangue, especialistas nutricionais recomendam apoiar o seu metabolismo com a seguinte abordagem de três pontas:

  1. Perda de peso e exercício: Quem faz atividade física fortalece o coração, a circulação, os vasos sanguíneos e as articulações. Níveis de açúcar no sangue levemente elevados podem ser reduzidos a níveis normais através de apenas uma dieta saudável, perda de peso e atividade física.
  2. Resistência à insulina e flexibilidade dos vasos sanguíneos pode ser melhorada através de dieta, e
  3. Antioxidantes podem ajudar a proteger células do dano causado pela glicemia elevada.

Os aminoácidos, vitaminas e microelementos destacados na seção a seguir são de importância especial para a regulação dos níveis de açúcar no sangue do próprio corpo.

Aminoácidos e a regulação dos níveis de açúcar no sangue

L-Arginina

L-arginina melhora a circulação

Circulação e ArgininaA L-arginina cumpre um papel na saúde cardiovascular (pressão sanguínea, especialmente circulação nos pequenos vasos sanguíneos). A L-arginina forma a molécula NO (óxido nítrico), que sinaliza o relaxamento e a dilatação dos vasos sanguíneos. Muitos estudos confirmaram que a ingestão de L-arginina pode resultar em melhor circulação e pressão sanguínea. Disfunção endotelial (disfunção da parede interna dos vasos sanguíneos) é observada primeiro nos vasos sanguíneos menores, por exemplo os encontrados na retina do olho ou no pênis masculino.

Em estudos, um complexo de vitamina B9 (ácido fólico), B6 e B12 para reduzir níveis de homocisteína ou Extrato de Casca de Pinheiro foi adicionado para realçar os efeitos da L-arginina. A L-arginina pode ser benéfica para pessoas que sofrem de disfunções circulatórias relacionadas com o diabetes.

A L-arginina melhora a sensibilidade à insulina

Um estudo conduzido em 2001 descobriu que consumir L-arginina pode melhorar a sensibilidade à insulina.2 Esses resultados foram confirmados por dois estudos em 2013.3

L-Carnitina

A L-carnitina pode melhorar significativamente o metabolismo de glicose. Ela melhora a utilização de açúcares no sangue e reduz a resistência à insulina.4

Outros micronutrientes recomendados

Vitamina C

Consequências da diabetesPor seus níveis elevados de glicose no sangue, os diabéticos têm mais estresse oxidativo que danifica células. É assim que vários tecidos, incluindo tecidos nervosos e vasculares, são atacados. A vitamina C, vitamina E e glutationa são importantes na defesa celular e portanto em maior demanda. Como resultado, diabéticos apresentam deficiência de vitamina C com maior frequência que a população não afetada e 30% das pessoas não consomem a dose diária recomendada (80 mg). Além disso, ao comparar os níveis de vitamina C em diabéticos com os níveis em indivíduos saudáveis, os diabéticos apresentam níveis 30% mais baixos de vitamina C.

A vitamina C protege as paredes dos vasos sanguíneos (endotélio). Um estudo nos EUA demonstrou que o consumo de suplementos de vitamina C pode melhorar significativamente a resistência à insulina.5

Portanto é recomendado ingerir pelo menos 240 mg de vitamina C por dia.

Zinco

Em comparação com indivíduos com metabolismo de glicose saudável, os diabéticos eliminam duas ou três vezes mais zinco. Além disso, vários medicamentos aumentam a deficiência de zinco. Isso resulta na deterioração da tolerância à glicose, maior probabilidade de infecção e dificuldade de curar feridas. Por isso é recomendada a ingestão de 15 mg até 25 mg diários.6

A autoridade alimentar europeia confirmou que o zinco contribui para um metabolismo saudável de glicose e lipídios (gorduras).

Magnésio

Os diabéticos muitas vezes apresentam níveis de magnésio no sangue abaixo dos padrões recomendados. A deficiência de magnésio complica a modulação de açúcar no sangue em diabéticos, piora a resistência à insulina e promove a retinopatia.

Cromo

O microelemento cromo é parte importante do fator de tolerância à glicose e cumpre um papel em vários aspectos dos níveis de açúcar no sangue e metabolismo de insulina. Consumir cromo pode melhorar a resistência à glicose e reduzir os níveis de glicose em diabéticos.7 This statement has been confirmed by the European Food Safety Authority.8

Além disso, o cromo pode aumentar o desenvolvimento de receptores de insulina e melhorar a sensibilidade à insulina.

Luteína e Zeaxantina

saúde ocular e níveis elevados de açúcar no sangueA luteína e a zeaxantina são carotenoides que formam o precursor da vitamina A. Elas são concentradas nas células da retina e outros tecidos oculares. Muitos estudos confirmam que a luteína e a zeaxantina protegem as células oculares de estresse oxidativo. Por isso são recomendadas não apenas para a prevenção de degeneração macular, mas também para a prevenção de retinopatia diabética.

Acidos graxos ômega 3 DHA e EPA

Os ácidos graxos ômega 3 especiais, DHA (ácido docosaexanoico) e EPA (ácido eicosapentaenoico) são encontrados quase exclusivamente no óleo de peixe. O corpo humano não é capaz de produzir eles sozinho. Eles são componentes essenciais dos nervos, os antagonistas naturais do colesterol e protegem as paredes internas dos vasos sanguíneos. Uma boa suplementação de ácidos graxos ômega 3 DHA e EPA também podem reduzir o risco de desenvolvimento de tromboses (coágulos sanguíneos).

Leia mais aqui!

Quais produtos reduzem a glicemia?

A glicemia pode ser influenciada por uma dieta saudável. Estes produtos são reconhecidos e recomendados na Europa.
Leia mais aqui!

Bibliografia:

  1. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK65149/
  2. Piatti, P.M., Monti, L.D., et al., “Long-term oral L-arginine administration improves peripheral and hepatic insulin sensitivity in type 2 diabetic patients”; Diabetes Care, 2001; Volume 24, issue 5, pages 875-880
  3. Hoang, H. H., et al.; “L-arginine, tetrahydrobiopterin, nitric oxide and diabetes”; Current Opinion in Clinical Nutrition & Metabolic Care; 2013; Vol. 16, issue 1, pages 76-82; also Rajapakse, N. W., et al.; “Insulin-Mediated Activation of the L-Arginine Nitric Oxide Pathway in Man, and Its Impairment in Diabetes”, 2013; PloS one, Volume 8, issue 5
  4. Giancaterini, A.; et al; “Acetyl-L-Carnitine infusion increases glucose disposal in type 2 diabetic patients”; Metabolism; 49 (6), 704-708, 2000
  5. Paolissimo, G., et al.; “Metabolic benefits deriving from Vitamin C supplementation in aged non-insulin dependent diabetics”; J Am Coll Nutr, 14 (4), S. 387-392, 1995
  6. Gröber, U.; “Orthomolekulare Medizin” (Orthomolecular Medicine); 3. Aufl., (3rd Edition) 2008, S. 245
  7. Anderson, R.A.; et al “Chromium in the prevention and control of diabetes”; Diabetes Metab, 26 (1), 22-27, 2000
  8. http://www.efsa.europa.eu/en/efsajournal/doc/2203.pdf
Share and help your friends!Share on Facebook
Facebook
Share on Google+
Google+
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Share on Tumblr
Tumblr